| 0 comentários ]

Com 3 jogos e o dobro de golos, o segundo dia do EURO 2016 proporcionou à sua audiência um pouco de tudo, desde grandes golos a drama até ao último segundo de jogo. Com 270 minutos de futebol de excelência, estes são os pontos - positivos e negativos - a reter do primeiro sábado de competição.

     + GARETH BALE - PAÍS DE GALES Com a pressão de carregar uma nação nas suas costas, o craque do Real Madrid não desiludiu no primeiro jogo de sempre do País de Gales na fase final de um europeu. Com um grande golo na sequência de um livre direto e eficaz a comandar o ataque galês, o atacante também se mostrou pronto em ação defensiva como mostram os seus 2 cortes e outro desarme ao longo da partida. Numa grande competição desde 1958, Gales procura aquilo que não teve na geração de Ian Rush ou mesmo Ryan Giggs: sucesso no panorama internacional. E esta pode muito bem ser a competição de Gareth Bale, que desta feita não tem que se sujeitar a um plano secundário.

     + ALBÂNIA A jogar com 10 durante toda a segunda parte e final da primeira, a formação albanesa mostrou que não existem, não importa as circunstâncias, adversários acessíveis em fases finais de grandes competições. No embate que marcou o duelo dos irmãos Xhaka, a seleção de Gianni di Biasi deu uma boa réplica aos helvéticos, apesar das claras debilidades em relação aos adversários. A derrota pela margem mínima acaba por ser elucidativa da sua postura durante a partida e uma defesa milagrosa de Yann Sommer a remate do experiente Gashi já na reta final da partida evitou males maiores para os suíços, dando indicações que a Albânia não é, ainda, uma seleção a excluir nas contas para os oitavos.

     + ROY HODGSON Resultado à parte, a Inglaterra mostrou que tem todas as condições para fazer uma excelente prestação no EURO 2016, muito por culpa das alterações táticas de Roy Hodgson em relação ao jogo com Portugal. Preterindo do losango para um tradicional 4-3-3 com extremos, os britânicos cresceram imenso num plano exibicional graças à influência de Sterling e Lallana no plano ofensivo, com o apoio dos laterais (especialmente Kyle Walker, que fez valer mais uma vez a sua velocidade no corredor direito). A colocação de Rooney no meio-campo acaba por não ser uma total surpresa que, em ocasiões, acabou por ser uma mais-valia, apesar de um distanciamento periódico do jogo em alguns momentos.

     + COMPETITIVIDADE O único ponto que se repete em relação ao dia de ontem, a presente edição do EURO 2016 vai mostrando que não existem vencedores antecipados ou jogos completamente dominados por uma equipa em termos de marcador. Com as vitórias do dia por Suíça e Gales a serem ambas conquistadas pela margem mínima, a competição continua a demonstrar que não existem jogos fáceis para nenhuma formação e que os 3 pontos terão de ser disputados até ao apito final. É um ponto a favor especialmente para os adeptos neutros que se vão deliciando com partidas bastante animadas cujo resultado final está indefinido até ao soar do último apito.

     + ATÉ AO ÚLTIMO SUSPIRO Muitos pensariam que o golo de Eric Dier tinha fechado a questão sobre o vencedor do embate entre a Inglaterra e Rússia. Pegando no ponto explorando acima, de todos os jogos serem disputados até ao final, os russos mostraram-se dispostos a lutar quando muitos achavam impossível a formação de leste chegar ao golo que dividisse os pontos no grupo B. No duelo que abriu o dia foi Gashi a estar muito perto de dar o empate à Albânia já dentro dos últimos 5 minutos da partida, com o Robson-Kanu a dar o golo da vitória ao País de Gales no minuto 81. Onde quer que esteja as transmissões do EURO'16, não desligue até ao apito final...

     + TRADIÇÃO Apesar da satisfatória exibição da Inglaterra, já mencionada e analisada acima, os britânicos continuam sem vencer em jogos de abertura do EURO. O golo de Vasili Berezutski, já nos descontos, anulou o fantástico livre de Eric Dier e originou o quinto empate dos ingleses nos seus jogos de abertura no EURO. Juntando a isso, 4 outras derrotas fazem com que ainda esteja para surgir a primeira vitória inglesa num jogo de abertura da maior competição europeia de seleções.

    Para terminar, uma curta humorística, cortesia d'O anónimo: Este EURO começou da melhor forma, com Jesus Cristo a colocar música em playback na inauguração. Mas a seleção francesa, em modo de homenagem, conseguiu a vitória com um milagre.

0 comentários

Postar um comentário