| 1 comentários ]

     Sérgio Conceição já deixou o comando técnico do Nantes, clube pelo qual assinou no passado mês de dezembro e acabou por fazer o impensável: deixar um clube que se encontrava na zona de despromoção, sem grandes esperanças de garantir a permanência no campeonato francês - e quanto mais de fazer um campeonato tranquilo -, no 7º lugar da competição. Caso houvessem 7 vagas europeias na Ligue1, ao contrário das 6 existentes, seria o Nantes de Conceição a rumar à Liga Europa. E em tal recuperação não existem características a fazer: com a sua personalidade naturalmente agressiva, mais ou menos controlada, o técnico português tornou-se num dos grandes focos de atenção numa altura em que se vai fazendo a revista da época no futebol francês.

     Conceição, próximo treinador do FC Porto, terminou a sua estadia de 7 meses em território gaulês com incríveis créditos, fruto do seu rácio de vitórias de 50%. Melhor só em 13/14, quando terminou a época em Braga com 23 vitórias em 44 jogos, terminando no 4º lugar do campeonato. Já a sua temporada, embora bem sucedida, ficaria manchada pela derrota no Jamor, face a um Sporting que, a jogar com 10 durante 75 minutos e em desvantagem no resultado (e por margem de 2 golos) até aos minutos finais, onde a dupla de Slimani e Montero obrigou com que a questão se resolvesse nas grandes penalidades, favoráveis aos lisboetas. 

     Isto para dizer, no fundo, que Sérgio Conceição é um técnico que já revelou bons registos na sua ainda relativamente curta carreira como treinador. O problema é que, entre Braga e Nantes, foi protagonista de uma das piores épocas do Vitória SC desde a virada do milénio.

     É importante relembrar que o Porto não vence um título oficial de 2013, na altura a Supertaça Cândido de Oliveira com Paulo Fonseca ao leme. Desde esse momento, 3 treinadores foram apresentados - com Luís Castro e Rui Barros a sentarem-se no Dragão como interinos - por Jorge Nuno Pinto da Costa como os homens que iriam devolver a formação azul e branca aos títulos, algo que tem marcado a história recente da equipa nortenha: 29 só no novo milénio. E todos eles conquistados, claro está, até 2013. Tendo isto em conta, é óbvio que o Porto vive numa seca de troféus que não é natural, muito mais quando tem um sido um autêntico 'papa troféus', especialmente na primeira década deste século, onde se incluem 2 troféus europeus, ambos com José Mourinho.

     É compreensível que, dado este período menos bom na história do clube, o Porto queira tomar uma opção mais segura no que toca ao homem do leme, até porque o último técnico estrangeiro não correspondeu. Esse foi o critério para a escolha de Nuno Espírito Santo, uma desilusão para os portistas em diversos níveis. E, tal como seu antecessor, Sérgio Conceição ainda não mostrou credenciais suficientes no futebol português ou fora dele - uma época fantástica em França não exclui a possibilidade de ser um one hit wonder. A Crónica Futebolística enumera algumas razões pelas quais Sérgio Conceição não é a escolha mais indicada para voltar a levar o Futebol Clube ao Porto à rota dos títulos.

     ➤ OS ÓBVIOS PROBLEMAS TEMPERAMENTAIS: É um problema recorrente no futebol hoje em dia. É sempre uma característica bem-vinda que um treinador sinta o clube que está a liderar, ainda para mais quando é um homem formado ou que tenha sido bem sucedido como jogador na casa para a qual está a voltar. O confronto faz-se, aqui, quando quem quer que seja tenta desculpar atitudes claramente agressivas ou descabidas como simplesmente uma demonstração de 'raça'. E, já como jogador e agora como treinador, Sérgio Conceição não pode ser uma imagem exemplar a passar aos seus jogadores. Já enquanto atleta, o próximo treinador do FC Porto demonstrava uma postura excessivamente agressiva, o que sempre abonava a seu favor no campo da disciplina. Enquanto treinador, o seu historial é ainda mais extenso. Desde acusações de insultos e ameaças perante António Salvador, José Eduardo Simões e outros dirigentes a ameaçar e a 'marcar presença' contra árbitros, até na sua extremamente positiva época no Nantes. Por mais que um treinador se necessite dedicado, esforçado para com a causa da instituição que representa, os problemas temperamentais e crises de fúria de Conceição não são exemplo a seguir e não é aquilo que necessita os jogadores do Porto.

     ➤ NECESSÁRIA MAIOR EXPERIÊNCIA: Está um pouco demais instaurada no futebol atual a ideia de que um jogador mediano dará um treinador mediano ou que um grande jogador dará um grande treinador. Não. Claro que passar pelos relvados dará a um futuro treinador uma melhor ideia de como fazer o seu trabalho, mas isso não é de todo determinante para se ter sucesso no banco. E Sérgio Conceição pertence a uma nova vaga de treinadores portugueses que optaram por seguir o ramo de treinador, uns com mais sucesso e outros com menos. A verdade é que Sérgio Conceição, exclusivamente como treinador, não tem a experiência suficiente para tirar um clube como o FC Porto da situação em que se encontra atualmente. Apesar de boas temporadas no Nantes e no Braga, assim como na Académica a certo nível, o português de 42 anos ainda não mostrou, de todo, a consistência necessária para se mostrar capaz de liderar um barco como o do Porto, que vive um momento extremamente sensível. Juntando essa falta de consistência - que até pode estar lá, mas que ainda não a mostrou - à sua própria inconsistência emocional, é bem válida a hipótese de que estejam reunidas as condições para mais uma época de dissabor para os azuis e brancos.

     ➤ NECESSIDADE DE MUDAR O CRITÉRIO DE SELEÇÃO: Nuno Espírito Santo apresenta vários paralelos com Sérgio Conceição: apesar de uma época extremamente interessante no Rio Ave, onde chegou à final das taças, e de um excelente início no Valência, o agora treinador do Wolverhampton não apresentava nem de perto, nem de longe condições favoráveis nem conhecimento no seu currículo para que lhe fosse oferecido o cargo de treinador do FC Porto que, à entrada da época passada, também já vivia um momento sensível. Conceição, por sua vez, também não apresenta um currículo de todo cimentado. A conclusão possível de tirar é que o critério de seleção para as escolhas de Espírito Santo e Conceição são semelhantes. Se a história recente se mantiver, é algo que não abona a favor dos dragões. Porque além de serem escolhas claramente precipitadas, mostram ser técnicos que não têm fulgor suficiente - ainda - para segurar uma equipa com as ambições domésticas do FC Porto.

     ➤ ESCOLHAS MAIS FIDEDIGNAS NO PRÓPRIO CAMPEONATO: Nas 7 épocas em que já treinou na Primeira Liga, Pedro Martins já levou o Marítimo, Rio Ave e agora Vitória SC às competições europeias. Com um currículo cimentado aos poucos, subindo um degrau de cada vez e mostrando uma fenomenal consistência em todos os clubes que tem treinador, o antigo médio natural de Santa Maria da Feira necessitava de um novo desafio na carreira, como foi o Vitória, mas mostra-se plenamente preparado para se encarregar de liderar um grande do futebol português, com o FC Porto a ser o clube que, aparentemente, melhor se conectaria com as suas ideias: além de ter uma extrema cultura tática, é um homem que percebe que o futebol não acaba nas linhas laterais e de fundo, interessando-se de forma acentuada pelos adeptos e comunidade envolvente ao clube. Com uma escolha tão evidente mesmo à frente dos olhos, a opção por Sérgio Conceição acaba por levantar alguns 'porquês'. E, embora numa época menos boa, Pedro Martins foi adjunto de José Couceiro no FC Porto em 2005, sendo também um homem que conhece os cantos à casa.

     Numa altura em que só falta a oficialização do FC Porto e pouco mais, Sérgio Conceição tem uma missão espinhosa como novo técnico dos azuis e brancos. Terá a missão não de ressuscitar, mas de ajudar a reerguer um gigante do futebol português cujo orgulho tem sido repetidamente ferido nos últimos anos. Na opinião da Crónica Futebolística, Sérgio Conceição não é a opção mais indicada para o comando técnico do FC Porto.

O que acha da escolha de Sérgio Conceição como novo técnico do FC Porto?
Deixe a sua opinião na caixa de comentários abaixo ou na página do facebook da Crónica Futebolística.

1 comentários

Gonçalo Esteves disse... @ 7 de junho de 2017 08:51

Depois de ler o vosso texto com atenção, quem na vossa opinião poderia ser a melhor opção ?

Postar um comentário